jusbrasil.com.br
5 de Agosto de 2021

Bandido bom é bandido morto? A realidade desconhecida atrás dos muros...

Acadêmico do curso de Direito vence concurso de reportagem ao mostrar as ações voltadas para recuperar indivíduos dentro de uma unidade prisional. Vejam!

Silvimar Charlles, Bacharel em Direito
Publicado por Silvimar Charlles
há 3 anos

E aí pessoal! Tudo certinho?

Em contraste ao artigo https://canalcienciascriminais.jusbrasil.com.br/artigos/544457561/crise-carcerariaeexecucao-penal?ref=topic_feed, decidi contar a minha experiência sobre o tema.

Não sei se vocês já ouviram um ditado popular: "estudante de Direito tem arte que até o cão duvida". Pronto! Tá aí mais uma para consolidar o provérbio.

Isso mesmo! Tive um privilégio de visitar uma unidade prisional, entrevistar agentes penitenciários, internos (além de pessoas na rua) e conhecer de perto os esforços de alguns servidores para tentar reintegrar (de forma harmônica e pacífica) esses indivíduos à sociedade.

Tudo começou com um concurso chamado o "Repórter do Bem" de um site na minha cidade natal, Conceição do Jacuípe-Ba. Os candidatos deveriam produzir uma matéria de impacto que seguiria para votação no site e a matéria mais votada elegeria o novo profissional.

Uma semana antes de produzir a matéria, saiu uma pesquisa do Datafolha informando que para 57% dos brasileiros, bandido bom é bandido morto. Daí ao tomar conhecimento de práticas ressocializadoras numa unidade prisional próxima, resolvi produzir uma matéria e mostrar um outro lado que poucos conhecem, pois a mídia, em regra, só mostra os maus exemplos: dos servidores e/ou as mazelas do sistema prisional, por isso, o titulo da matéria não poderia ser outro senão: "Bandido bom é bandido morto? A realidade desconhecida atrás dos muros"

Assistam e surpreendam-se:

Obs1: não sou defensor de criminoso! Só acredito que cada um de nós devemos ver sempre os dois lados para saber se existe ressocialização no Sistema Prisional Brasileiro, ouvir sempre as duas versões sobre qualquer assunto, daí formaremos o nosso convencimento sobre qualquer tema.

Obs2: Bandido que troca tiro com a Polícia, que dar tiro pra matar assume o risco de tomar tiro pra morrer e eu não tenho nenhuma oposição contra isso.

Obs3: o vídeo começa aos 00:37 e tem um tempo total de 10:57

Ah! Tá aí o resultado pessoal.

Gostaram? COMENTEM

Esse assunto é importante? COMENTEM

O artigo é útil? É só um clique: RECOMENDEM

Um forte abraço a todos e até a próxima!!!

9 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

É assustadora a intolerância das pessoas, quando se trata de condenar. O crime é escolha, bradam elas, mas se esquecem que as escolhas são feitas entre as opções a disposição do indivíduo. Se assim não fosse, todos moraríamos perto do trabalho, teríamos os melhores centros de saúde, e dezenas de opções de lazer, entre tantas outras benesses. Mas isso não acontece. E nunca dizemos que o trabalhador que espera meses por uma consulta em uma ubs é o culpado por isso. Por que entendemos que infelizmente um tratamento de saúde com qualidade não está disponível a todos. Não se trata de escolha. Se trata de seguir pelas poucas ou única possibilidade apresentada. Seguir pelo caminho do crime é uma escolha? Qual a situação familiar do indivíduo? Estruturada? Genitores ausentes? Seu rendimento escolar? Aspectos sociais- Seus amigos, pessoas influentes na comunidade, parentes, artes (geralmente a música), - quais as influências e valores são incutidos nesta pessoa? Se alguém souber a resposta a essas perguntas, para cada criminoso que a pessoa toma conhecimento,esse alguém poderá dizer se a conduta foi uma escolha. Agora, se esse alguém se limita a simplesmente repetir o que escuta e vê nos noticiários, e se esquece que nem todo crime significa tirar a vida de alguém, deixando o senso crítico emudecido, como apontar e dizer- foi escolha?
Ps: @silvimar, , parabéns pelo artigo e pelo prêmio. continuar lendo

Se esse comentário representasse a realidade, certamente as favelas seriam compostas única e exclusivamente por bandidos, mas não são. Eles são uma minoria que através do cano do fuzil domina a maioria trabalhadora e honesta.

Dizer que pobreza ou falta de oportunidade leva ao crime não passa de conversa pra boi dormir. continuar lendo

Crime é escolha sim. Você diz que não é escolha, como se estivesse escolhendo entre comer e morrer de fome. Não, nem de longe é isto. Nada, absolutamente NADA do que você disse justifica colocar a arma na cara dos outros para roubar ou matar. continuar lendo

@ziha , você leu o comentário? Escolher entre morrer e passar fome...
Você já trabalhou com pessoas em situação de vulnerabilidade social, pessoas que não tem moradia adequada, saneamento básico, pessoas que passam fome (sua alimentação fica aquém das necessidades nutricionais de uma pessoa) e estão nestas condições por falta de escolha? Milhares de pessoas nestas condições, você diz que tudo é uma questão de escolha. Quais as bases do seu argumento? Pesquisas feitas nestes locais, abrangendo todos os moradores? Ou se trata de achismo? 'Eu acho que se trata de escolha'. Você se esquece que adversidades existem, que imprevistos acontecem, que qualquer um, por mais auto-justo que seja, pode de forma inadvertida se tornar um criminoso em sua forma culposa. E que nem todo crime envolve a vida ou patrimônio. É o que diz nosso código penal. continuar lendo

O crime eh escolha, assim como permanecer no crime. continuar lendo

Esta de "tudo tem dois lados" é papo furado, marginal o é por escolha própria e permanece por que quer.

Claro que todos querem bandido morto, o Estado é total, completa e absolutamente ausente... Todos, inclusive os marginais, sabem que raramente vão ser descoberto, se for, dificilmente será localizado, se for, dificilmente irá ser punido, se for, será por pouco tempo. Basicamente temos um sistema que pune o cidadão, não o marginal. continuar lendo

Edu Rc!!! "os dois lados" que eu cito é para o leitor fazer a formação de convencimento se existe ressocialização ou não no Sistema Penitenciário. No texto não há NENHUMA justificação para a pessoa escolher o caminho do crime. O texto conta uma experiência que traz dados que contrasta com o artigo https://canalcienciascriminais.jusbrasil.com.br/artigos/544457561/crise-carceraria-e-execucao-penal?ref=feed. Não há qualquer defesa de ponto de vista. Há duas fontes de informação sobre o mesmo tema para enriquecer e apurar o senso crítico dos leitores. continuar lendo

Falarei quase o mesmo que o Leonardo Rocha, mas do meu jeito.

Lendo os comentários, vejo que não só os criminosos devem ser ressocializados.

"O crime é escolha". Será?

Cresça em um ambiente onde a única referência que se tem é a prática de crimes.

Cresça num local onde se entende que o crime é o único caminho, e não se tem a consciência de que é algo errado. Que é um meio de sobrevivência.

Cresça em meio a outros criminosos que angariam menores para a prática dos delitos, e quando percebem, já são um deles.

Viva com ausência de comida, moradia, afeto e atenção do Estado.

É fácil falar o contrário quando se cresce com uma boa estrutura familiar, acesso à educação de qualidade, com boas influências e etc.

A situação dos criminosos vai muito além de ser vagabundo ou não.

Existem diversos contextos, dentre eles o social, histórico, econômico, psicológico e outros.
Avaliar esses casos de forma rasa, é quase que uma omissão, pois sabe-se que o buraco é mais embaixo.

E para quem pretende responder com "tem dó, leva pra casa", entenda que não digo que tem de passar a mão na cabeça deles, deixá-los viver com regalias nos presídios, e etc.

Eu me refiro à humanização, à empatia e, além disso tudo, criar um meio PREVENTIVO de problemas, e não esperá-los acontecer para buscar soluções, que mais são tapa buraco do que soluções.

Não teremos uma sociedade mais segura e honesta se matarmos ou mal-tratarmos essas pessoas. Se assim o fosse, no Oriente Médio, onde há milênios adota a Lei de que "roubou, corta-se as mãos", não mais teriam criminosos. Mas tem. Sinal de que isso não deu muito certo.

Não confundam VINGANÇA com JUSTIÇA. São coisas muito diferentes, e vejo que a maioria quer o primeiro, apenas.

De qualquer forma, ótimo material, @silvimar . Parabéns pelo produção do conteúdo, e agradeço por ter compartilhado com todos.

Abraço. continuar lendo